BE recomenda ao Governo a “abolição imediata das portagens na A24”

O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda (BE) apresentou, na Assembleia da República, um Projeto de Resolução no qual recomenda a “abolição imediata da cobrança de taxas de portagem em todos os troços da A24”.

A introdução de portagens na A24 tem suscitado muitas manifestações de repúdio por parte das populações, autarquias, associações empresariais e outras. O Bloco de Esquerda informou que “sempre tem apoiado todas essas manifestações e já apresentou na Assembleia da República diversas propostas contra as portagens”, entretanto chumbadas.

“O que se impõe é abolir, quanto antes as portagens na A24, pois a sua continuação significa persistir num erro muito negativo para o interior norte do país, desde a Beira Alta a Trás-os-Montes”, informou o partido.

Para o BE, “a introdução de portagens na A24 que liga Viseu a Chaves, com ligações à fronteira com a Espanha, além de não ter resolvido quaisquer problemas de natureza financeira, agravou de forma dramática as dificuldades sociais e económicas das populações, já de si fortemente penalizadas pela crise e pelos custos da interioridade. Estas populações têm sido, assim, fortemente discriminadas pela aplicação de portagens da responsabilidade do anterior Governo”.

A A24 é uma autoestrada que serve essencialmente o interior do país, ligando a Beira Alta a Trás-os-Montes, onde o poder de compra dos cidadãos é mais baixo e onde as alternativas, rodoviárias ou outras, praticamente são inexistentes. Esta via, com uma distância de cerca de 160 quilómetros entre Viseu e Chaves, demora a percorrer 1 hora e 45 minutos, enquanto o mesmo percurso pela A2, com uma distância de 170 quilómetros, demora quase 4 horas.

“Em termos de mobilidade, a implementação de portagens na A24 representou um grave retrocesso de muitos anos nas regiões do Interior Norte”, adiantou o partido, em comunicado.

Menu