Caretos de Lazarim andaram à solta em novo Entrudo

Em Lazarim, a chuva não chegou para afastar milhares de curiosos que durante os últimos dias acorreram à pequena vila para celebrar o Entrudo mais genuíno do país, recriando um ambiente de folia e confraternização sem igual. O momento mais alto dos festejos foi a leitura pública dos testamentos na Terça-Feira Gorda que atraiu uma multidão para escutar atentamente a herança da “comadre” e do “compadre”. Nesta altura, taparam-se os ouvidos aos mais sensíveis, pois foi o momento das verdades guardadas durante todo o ano se fazerem escutar, respeitando a regra de ouro de só os solteiros poderem criticar e ser alvo de chacota. Como é tradição, logo a seguir mandou-se queimar dois bonecos de pano que representam os compadres, um ato que simboliza a expulsão dos maus pensamentos e a purificação das mentes.

Este ano, dezenas de novas máscaras desceram à rua para desfilar, esculpidas pacientemente em madeira de amieiro pelas mãos dos artesãos da freguesia, com o objetivo de recuperar a memória histórica das suas gentes. A Terça de Entrudo terminou com a oferta do tradicional caldo de farinha e da feijoada, feitos em potes de ferro, a todos os presentes.

Organizado em parceria pela Junta de Freguesia de Lazarim e pela Câmara Municipal de Lamego, com o apoio do Centro Interpretativo da Máscara Ibérica (CIMI), o Entrudo de Lazarim mantém-se, passadas tantas décadas, o símbolo do sentir e da arte popular desta povoação, sempre em respeito pela autenticidade e pela tradição. Recorde-se que a autarquia está a candidatar estas máscaras a Património Cultural Imaterial da Humanidade.

Menu