Defensores do edifício da Panreal admitem avançar com providência cautelar

Ontem, a Panreal, panificadora projetada por Nadir Afonso e recentemente adquirida pela cadeia de supermercados LIDL, começou a ser demolida. Este processo indignou um grupo de defensores do edifício que, segundo a Agência Lusa, prometeram avançar hoje, terça-feira, com uma providência cautelar para travar a obra.

“Vamos fazer uma providência cautelar que visa parar as obras. Estávamos num processo em que podíamos transformar isto na mais linda loja do LIDL”, lamentou Mila Simões de Abreu, membro da Alter Ibi, associação que tem defendido o edifício nos últimos três anos. No momento da demolição, Mila Simões Abreu entrou no edifício, contudo foi retirada do local pela PSP. 

“É importante a defesa do património português. Nadir Afonso era um grande artista, um grande arquiteto e, portanto, a destruição assim à calada, cobardemente, sem um anúncio, um edital, só demonstra que eles têm medo”, salientou a defensora do edifício, acrescentando que o processo ainda vai ser estudado com os advogados, mas que a providência cautelar avançará em nome de “diversas pessoas”.

Recentemente, esta associação entregou uma carta ao Presidente da República com o título “No centenário de Nadir vamos preservar a Panreal e fazer dela a mais linda loja do LIDL!”, num ato que consideraram ser a última esperança pela preservação do edifício.

De recordar que a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) arquivou o procedimento de classificação para Imóvel de Interesse Público, proposto por um grupo de cidadãos, considerando que o edifício já não reunia características para uma classificação de âmbito nacional. Uma decisão, em 2019, que levou a Câmara Municipal de Vila Real a não classificar a panificadora como um imóvel de interesse municipal.

Menu