Eurocidade Chaves-Verín quer livre circulação

O presidente da eurocidade Chaves-Verín, Nuno Vaz, em declarações à Lusa, defendeu a livre circulação de pessoas nos espaços que ligam localidades portuguesas e espanholas, para minimizar o impacto económico causado pelo encerramento das fronteiras devido à pandemia de covid-19.

“Fizemos de forma reiterada uma proposta aos governos dos respetivos países para que todos os residentes das eurocidades de Portugal e Espanha tivessem um estatuto muito próximo daquele que têm os trabalhadores transfronteiriços”, explicou o presidente.

O também presidente da Câmara de Chaves, no distrito de Vila Real, defende que os cidadãos flavienses e de Verín, na Galiza, localidades que formam desde 2008 uma eurocidade, possam circular livremente naquele espaço, e que essa medida seja estendida a todas as eurocidades ibéricas.

O autarca socialista lembrou, ainda, que os comércios dos dois lados das fronteiras estão interligados e dependem muito de clientes dos dois países, defendendo a aplicação de “projetos-piloto”.

“Estes [projetos-piloto] podem ser pensados e acompanhados, tendo sempre em consideração a evolução epidemiológica do espaço português e espanhol e nunca pondo em causa o valor essencial que é a saúde”, frisou.

Nuno Vaz lembrou, também, que as próprias eurocidades são “experiências-piloto de afirmação e de integração dos princípios subjacentes à União Europeia (UE)” e que devem ter também “um enquadramento diferente”, acrescentando que este organismo de cooperação transfronteiriça endereçou na sexta-feira uma carta aos líderes dos governos português e espanhol.

“Espero que no dia 30 deste mês, quando for tomada uma nova decisão sobre esta matéria [a reabertura ou não da fronteira terrestre entre Portugal e Espanha], os governos tenham em consideração esta proposta, se a decisão for a de manter a fronteiras fechadas”, salientou.

Recorde-se que, na semana passada, os comerciantes galegos de Feces de Abaixo, Verín, junto à fronteira, manifestaram-se e pediram livre circulação de pessoas dentro da eurocidade.

Fonte: Lusa

Menu