Fundação da Casa de Mateus reabre portas com descontos


Após quase dois meses de encerramento, a Fundação da Casa de Mateus volta a abrir os seus espaços e a proporcionar a todos uma experiência singular que cruza o Património, a História e as suas histórias, a Natureza e o seu fulgor primaveril.  

Num primeiro momento, são precisamente os jardins a propor-se como espaço ideal de desconfinamento: 20 hectares de paisagem vasta e segura, “à sua disposição para estender as pernas, beneficiar de um pedaço de liberdade e reencontrar o prazer do ar puro”, refere a Fundação. Até ao final do mês de Maio, para assinalar esta reabertura, os bilhetes de entrada terão uma redução de 50% para cidadãos nacionais.

O dia 18 de Maio, dia em que as regras de contingência voltam a permitir abertura de museus e monumentos, é por coincidência o Dia Internacional dos Museus. Nesse dia, a Fundação da Casa de Mateus divulgará todo um programa especialmente dedicado à comunidade local, “beneficiário e protagonista primeiro deste património universal.”

Entretanto, a programação cultural da Fundação da Casa de Mateus prossegue online. Em Maio, o mês é da Poesia. Desde 1990, a Fundação organiza os Seminários Internacionais de Tradução Coletiva de Poesia Viva, lugar de encontro entre poetas que permitiu, até hoje, que fossem traduzidos 80 poetas de 39 nacionalidades diferentes. Num momento em que ainda não é possível reunir os poetas em Mateus, a Fundação propõe que, ao longo do mês, os poetas tragam as suas memórias destes seminários, a sua visão particular do Mundo através da poesia e as suas palavras. “Uma vez por semana, aqui desfilarão poetas como Nuno Júdice, Jorge Velhote, Ana Luísa Amaral e outras surpresas que se lhes juntarão. No final do mês, juntaremos todos estes contributos num momento especial que ficará para o arquivo das nossas memórias poéticas”, refere da Fundação da Casa de Mateus.

Para além da poesia, o mês de Maio será também a ocasião para outros eventos: Já amanhã, dia 6 de Maio, pelas 19h00, Alfons Cornella e Mònica Alonso, do Institute of Next, de Barcelona, Cátia Miriam Costa e Sandro Mendonça, especialistas do ISCTE, juntam-se numa conferência-debate em ambiente virtual para falarem da China, das formas como a ciência, a tecnologia e a inovação têm integrado a sua política externa e sua diplomacia e ainda dos caminhos a empreender pelas empresas europeias para encontrar pontes com esta nova realidade.

Na próxima semana, no dia 12 de Maio, regressa o ciclo Cidade, Lugar Comum, iniciativa do Município de Vila Real e da Fundação da Casa de Mateus. Ainda em ambiente virtual, José Gomes Mendes, Secretário de Estado do Planeamento e autor de ‘O Futuro das Cidades’, falar-nos-á  do impacto da pandemia na actual ideia de cidade e das consequências que traz ao redesenho de políticas urbanas concretas.

Até ao final do mês, lugar ainda à oficina Narrativas do Património, mais um dos momentos de reflexão, inscritos no projeto Lugar Comum, sobre os modos de contar a história e de a tornar presente.

Menu