Integração de Merlão na Exposição Permanente do Museu da Vila Velha

Encontra-se em processo de limpeza o último merlão conhecido proveniente das antigas muralhas dionisinas que circundavam a Vila Velha, em Vila Real. Este encontrava-se até 2020 no passeio da Rua Camilo Castelo Branco, tendo sido retirado aquando as obras de calcetamento desta via, com o objetivo principal da sua preservação. Não é caso único em Vila Real, já que as pedras retiradas da antiga muralha foram reutilizadas em diversas obras na parte “nova” da cidade.

“Em 1738 deparamos com uma deliberação camarária curiosa, que alude ao costume de, nos últimos anos, os oficiais da Câmara procederem à retirada de pedra das muralhas para ser utilizada em calcetamentos.” Nas décadas seguintes deu-se uma progressiva ruína das muralhas, das “Portas da Vila” e da Capela do Espírito Santo, tendo sido demolidas, provavelmente, nos finais do século XIX.

Fonte: Livro “História ao Café” – Os últimos anos das Portas da Vila (Elísio Amaral Neves), páginas 183-186

Menu