Joana Ferreira: “A Iniciativa Liberal é contra a elevadíssima carga fiscal que está a asfixiar a população”

No passado dia 11 de janeiro, Joana Ferreira, candidata da Iniciativa Liberal pelo ciclo eleitoral de Vila Real à eleições legislativas marcadas a 30 de janeiro, marcou presença no estúdio da Universidade FM (UFM), para uma entrevista centrada na sua candidatura.

A cabeça de lista começou por abordar o porquê de ingressar na vida política em 2019: “senti uma necessidade, enquanto cidadã, de fazer alguma coisa para que o nosso país melhorasse”, realçou, acrescentando que o “país está estagnado”.

De facto, segundo Joana Ferreira, médica no Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, um dos principais travões do país são os baixos salários dos jovens qualificados, sendo Portugal, na europa ocidental, um dos países em que o salário é o mais baixo. A isso, acresce o peso da carga fiscal “elevadíssimo” a que a população é confrontada. 

Outro problema destacado pela candidata é a falta de mão de obra que se verifica na região que, por um lado, se prende com a pouca atratividade da região, relacionada, por sua vez, com a dificuldade de acesso aos diferentes serviços.

“A Iniciativa Liberal é contra a elevadíssima carga fiscal que está a asfixiar a população e que, uma vez reduzia, permitiria uma maior atratividade da região”, explicou, acrescentando que o melhoramento desta situação passaria pela reformulação do ensino, pela redução das taxas relativas à habitação, entre outros.

Deputados consoante número de habitantes é uma “injustiça”

Sobre a temática da redução do número de eleitores na região e consequente diminuição de representantes na Assembleia da República, Joana Ferreira referiu que “é um problema que causa injustiça, porque a população tem mais dificuldade em fazer com que a sua voz seja ouvida”, criando assim um prolema democrático.

Quanto à solução, para a IL, passaria pela descentralização, para “dar poder à população e capacidade para decidir quais as estratégias locais a dotar”. “Não podemos ter um Governo completamente centralista em que 80% dos empregos criados no âmbito da bazuca vão ser criados em Lisboa. Temos também de olhar para o interior e lutar”, reforçou.

Agricultores: “é extraordinariamente difícil sobreviver e competir”

Relativamente aos agricultores e vitivinicultores do Alto Douro Vinhateiro que “ganham cada vez menos e são cada vez mais desvalorizados”, a candidata explicou que dos contactos que teve com a área, percebeu que “é extraordinariamente difícil sobreviver e competir com Espanha porque temos um dos gasóleos mais caros da Europa”. “Basta pensar que quando enchemos o nosso depósito 100 euros de gasóleo, 60 vão diretamente para o estado, em impostos, só ficam 40 euros de gasóleo”, referiu, acrescentando que há ainda a burocracia interminável que trava a produtividade.

“A Iniciativa Liberal é um partido que defende os pequenos empresários e os pequenos agricultores, e é nesse sentido que temos uma série de políticas de redução da carga fiscal, defendemos a redução o IRC, defendemos a diminuição da derrama e um conjunto de impostos que devem ser eliminados”, enumerou.

Iniciativa Liberal é contra mineração do lítio 

Quando questionada sobre a sua posição relativamente à exploração do lítio na região, a Joana Ferreira defendeu que não é a favor deste tipo de atividade económica que “ignora e não respeita a população”. “Estamos a falar de uma atividade económica que está envolvida numa série de suspeitas de corrupção e de ilegalidade, para não falar do impacto ambiental. Aparentemente, a população não vai beneficiar economicamente com esta explicação”, esclareceu. 

CR

Menu