Mara Minhava apresentou o livro “Será Poesia?”

“Será Poesia?”  é o título de estreia de Mara Minhava, apresentado por Ana Paula Fortuna, na noite do passado dia 23,  perante um público que encheu o no espaço exterior do Museu de Vila Velha. Gina Telmo, directora do Museu, como anfitriã deste evento cultural, agradeceu à autora o ter escolhido este espaço para a apresentação deste primeiro livro, desejando-lhe muito sucesso “e que esta obra seja a primeira de muitas.”

Ana Paula Fortuna iniciou  esta apresentação, dizendo que  a autora lançava desafios sucessivos ao leitor com as múltiplas questões que lhe faz a começar na própria capa como título “Será poesia?”, questão que, escreveu, igualmente no posfácio, “pode levar-nos, a pensar que a autora pretende que o leitor dê resposta a esta sua dúvida”. E este foi o ponto de partida para dissertar sobre o conceito de poesia,  como de uma aula se tratasse, o que não deixa de ser importante, citando vários autores de renome. Sublinhou a existência várias escolas,  em várias épocas, com várias regras e até espartilhos, limitando a liberdade criativa, formal  e temática. E por falar em liberdade, Ana Paula Fortuna disse que Mara Minhava “não se prende nem a formas, nem a conteúdos e faz questão de esclarecer o leitor que não prescinde da sua liberdade, embora esta  nem sempre seja fácil de alcançar.” Mais adiante, sublinhou que a «novel» poetisa “faz  reflexões sobre o mundo que a rodeia”,  tem a capacidade igualmente de reflectir “sobre o seu mundo interior”. Sobre o aspecto formal “usa a rima sem um esquema prévio, só à medida da sua lira, conferindo-lhe ritmo, sonoridade, cadência”, anotando que “todo o livro está repleto de vocabulário ligado à música” ao usar vocábulos como: “som, tom, canto, afinado, canção, harpa, trinado, compasso, guitarra”, etc. Neste livro “o mistério da poesia vai sendo desvendado pouco a pouco, disse. Assim se vai respondendo ao título deste primeiro livro de Mara Minhava, “uma poetisa de alma pura”, nos termos ditos pela apresentadora.

Durante esta apresentação houve a declamação de vários  assistiu, igualmente, à declamação de vários poemas, assim como a  intervenções de  várias pessoas que quiseram manifestar à autora  a sua estima.

Para Mara Minhava, esta noite foi de muitas emoções e um dos momentos mais importantes da sua vida, assim o considerou. Os seus agradecimentos especiais foram para a família, para a apresentadora, para o dr. A.M. Pires Cabral que prefaciou o livro,  Chi Pardelinha que ofereceu, como ilustração, um dos seus quadros,  para Cristina Sigre, colega de liceu e que, musicou e cantou em primeira audição um dos poemas, Lídia Praça, vice-presidente da Union Hispanomundial de Escritores, e  Marco Aurélio Moura que declamou vários poemas.

Ribeiro Aires

Menu