Maria Feliz e Feliz: vida do casal de ermitas documentada em filme

Foto: Lino Silva

Maria Feliz, uma mulher ermita, de nacionalidade alemã, que vivia há cerca de 30 anos em Portugal, foi encontrada sem vida na sua casa, em Moçães, freguesia de Torgueda, no passado sábado. No local, estava também o marido, conhecido apenas como Feliz, com sinais vitais fracos. O Casal estava há mais de 20 anos radicado no concelho de Vila Real.

O casal de sexagenários trocou, em 1979, a vida profissional pela vocação ligada à alquimia. Estava em Portugal desde 1986. Maria Feliz apoiou, de 1993 até 2014, o Congresso da Medicina Popular em Vilar de Perdizes, com palestras e exposições sobre o seu trabalho com as plantas medicinais e os produtos da Associação pró Hildegard von Bingen, ligado à Medicina Popular, que entretanto fundou.

Desde 2002 que é convidada por escolas, na qualidade de palestras e para ações de várias formações entre outros sobre: “Sabedoria Popular”, “Inter-Áreas Terapêuticas”, “Plantas Medicinais”, “Alimentação Natural”, projetos de promoção e educação para a saúde. Era presença frequente no Mercado Municipal de Vila Real, com produtos da Associação pró Hildegard von Bingen.

A vida do casal serviu de tema para um filme documental, realizado por José Paulo Santos, editado em 2013. O documentário “… além da sala de espera”, que retrata a vida de dois eremitas alemães a viverem na região, integra o Plano Nacional de Cinema.

O filme dá a conhecer o dia a dia de um casal alemão que abdicou de uma vida materialista, na cidade. Maria Feliz e Feliz, foram estes os nomes portugueses que adotaram, viviam numa aldeia do concelho de Vila Real, em Torgueda.

Sempre revestido de um forte caráter filosófico, o documentário mostra a vida de duas pessoas que se dedicam a viver com aquilo que a natureza proporciona. Feliz e Maria Feliz recorriam a todos os mecanismos de trabalhos artesanais não só para fazer a sua comida, mas também para todas as lidas da casa. 

Veja o documentário de José Paulo Santos:

Menu