Município de Bragança distribui mais de 10 mil máscaras pelas instituições do concelho

O Município de Bragança , graças ao apoio de 80 voluntários brigantinos, produziu cerca de 7.500 máscaras em tecido (reutilizáveis), para proteção individual, esterilizadas e reutilizáveis. Essas máscaras foram distribuídas por mais de 70 instituições, entre a Polícia de Segurança Pública (PSP), a Guarda Nacional Republicana (GNR), os bombeiros, os estabelecimentos prisionais, as IPSS’s e Juntas de Freguesia, do meio rural e urbano.

A iniciativa partiu de um pedido do Município de Bragança que apelou à solidariedade de costureiras, alfaiates, modistas e praticantes de costura para responder à escassez de material existente no mercado. Até à data, encontram-se, ainda, mais de 2.700 máscaras em produção, estando previsto entregar um total de, aproximadamente, 10.200 unidades.

“Neste momento de particular dificuldade, o Município tentou ajudar, tanto quanto possível, aqueles que são confrontados diariamente com o contacto social e que, por esse motivo, estão mais expostas ao risco de contágio”, declarou Hernâni Dias, Presidente da Câmara Municipal de Bragança, acrescentando que, no fundo, responderam a uma falha existente no mercado”, uma vez que “as máscaras de proteção individual que, de momento, não chegam para todos”.

Segundo o autarca, a produção e distribuição destas máscaras para responder a todos os pedidos só foi possível “graças à solidariedade dos brigantinos e brigantinas que, mesmo estando em estado de alerta e de quarentena nas suas casas, não quiseram deixar de ajudar nesta causa e colocar a mão de obra e o carinho necessários”.

Por outro lado, ao longo das últimas semanas, o município brigantino disponibilizou o material necessário à confeção das máscaras, fornecendo-o individualmente a cada voluntário, para que a solidariedade e a boa vontade da comunidade pudessem ter lugar. Quando concluídas, as máscaras foram levadas pela autarquia a um laboratório, onde foram esterilizadas a 120ºC, num processo com uma duração total de três horas. Por fim, as máscaras foram distribuídas conforme as necessidades apresentadas pelas várias instituições que, segundo o autarca, mesmo estando em estado de emergência, continuam a exercer um importante trabalho de proximidade.

As máscaras têm a particularidade de ser reutilizáveis, mas devem ser lavadas, após a sua utilização, a uma temperatura entre os 70 e os 90 graus, pretendendo-se que a sua boa utilização possa ajudar a suprir a falta de material nas instituições, graças à boa vontade da comunidade brigantina.

De recordar que esta ação se insere na estratégia adotada pelo Município de Bragança para a prevenção e contenção da propagação do COVID-19, procurando mitigar ao máximo os seus efeitos na sociedade brigantina.

Menu