Município de Vila Real investe mais de 537 mil euros na defesa da floresta contra incêndios

Foi consignada, na passada quinta-feira, a empreitada de instalação de infraestruturas de defesa da floresta contra incêndios no concelho de Vila Real. Com este processo, efetuado no âmbito da candidatura da autarquia à medida de Prevenção da Floresta Contra Agentes Bióticos e Abióticos do PDR2020, a Câmara Municipal de Vila Real assinalou a conclusão do conjunto de ações de Defesa para a Floresta Contra Incêndios do Concelho vila-realense.

A empreitada, que terá um prazo de realização de 120 dias, num investimento de 537 478,33 euros, contemplará a construção das redes primária e Secundária de Defesa da Floresta Contra Incêndios, da rede viária florestal, da instalação de mosaicos de DFCI e a construção de um ponto de água, num total de 500 hectares de espaços florestais com maior risco de incêndio, nas freguesias de Andrães e Abaças e nas Uniões de Freguesia de S. Tomé do Castelo e Justes, Mouçós e Lamares, Constantim e Vale de Nogueiras.

A intervenção foi dividida em três lotes que, por sua vez, foram entregues às três empresas vencedoras do procedimento concursal: Gaspar e Rodrigues, Lda.; Floresta bem Cuidada e M. Duarte e Filhos, Lda.

“Todo este período de planeamento e de investimento na infraestruturação dos espaços florestais visa dotá-los de melhores condições para o combate aos incêndios, tornando-os mais resilientes ao fenómeno”, salientou Rui Santos, presidente da Câmara Municipal de Vila Real, acrescentando que “importa ter consciência de que somente ações devidamente planeadas (…) e continuadas no tempo produzirão os resultados desejados”, tais como a diminuição do número de ocorrências e das áreas ardidas.

Recorde-se que, no total, segundo Carlos Silva, vereador da Câmara Municipal de Vila Real com o pelouro da segurança e proteção civil, já foram intervencionados cerca de 800 hectares com a limpeza dos combustíveis através de meios mecânicos, meios motomanuais e ações de fogo controlado. 

Menu