Operação “Floresta Segura 2019” arrancou em Chaves

Foi apresentada segunda-feira a operação “Floresta Segura”, uma operação da Guarda Nacional Republicana (GNR), que conta com a parceria do Município de Chaves e a colaboração dos vários agentes de Proteção Civil. A fase inicial arrancou hoje e prolonga-se até dia 26 de fevereiro e pretende identificar todas as parcelas de terreno que não estão conforme os critérios de gestão estipulados por Lei, no âmbito da operação nacional de promoção de limpeza em torno das edificações.

A cerimónia de apresentação teve lugar no Destacamento Territorial da GNR de Chaves, ocasião aproveitada para a apresentação dos resultados do ano passado, no concelho, que se traduziu num ótimo exemplo de boas práticas preventivas, ao nível Distrital e Nacional, apresentando uma taxa de 90 por cento de correção relativamente às situações de não conformidade identificadas. Em cerca de 1000 situações identificadas, 900 delas tiveram cumprimento voluntário, o que demonstra colaboração por parte dos proprietários. Seguiu-se uma visita a uma área em infração, que carece de gestão, na União de Freguesias de Santa Cruz, Trindade e Sanjurge.

No seu discurso, o Presidente da Câmara de Chaves realçou a relação de compromisso e de colaboração entre todos os agentes de proteção civil, coordenados nesta ação pela GNR. Nuno Vaz mostra-se confiante quanto ao sucesso desta ação. “O objetivo é consolidar os bons resultados de 2018, esperando que haja cada vez mais uma consciência coletiva dos cidadãos, que todos concentrem os seus esforços na prevenção, com boas ações e comportamentos, evitando situações de negligência”.

Para o Comandante do Destacamento Territorial de Chaves, Bruno Antunes, que apresentou os resultados e as ações previstas para este ano, “a defesa da Floresta depende de todos e de cada um dos agentes de Proteção Civil, sendo que o sucesso deste desígnio nacional depende da competência, da capacidade de trabalho em equipa e mobilização, para que estas ações sejam tão abrangentes quanto o possível”.

Entretanto, pelas 39 freguesias do concelho serão efetuadas várias ações de sensibilização, em colaboração com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega, da Proteção Civil do Município, Juntas de freguesia e Oficiais de Segurança do Programa “Aldeia Segura”. Ações que também contam com a presença da Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais, Autoridade Nacional de Proteção Civil, dos Bombeiros, Exército e Polícia de Segurança Pública.

O objetivo é que, à semelhança do ano passado, exista uma mobilização proactiva e eficiente dos responsáveis pela gestão a montante da fiscalização (a partir de 01 de abril), que supere o excelente resultado de 2018.

Menu