Professores de Espanhol partilham ferramentas em encontros nacionais online

Aquando do término das aulas presenciais, vários professores se viram confrontados a uma adaptação a ferramentas tecnológicas que possibilitem e facilitem o ensino à distância. Processo que, enquanto novidade, despertou algumas dúvidas e dificuldades. Isabel Cabo, docente de Espanhol no Agrupamento de Escola Latino Coelho, Lamego, sentiu esta onda de mudança e teve a iniciativa de dinamizar encontros online nos quais se pudessem partilhar práticas pedagógicas entre professores de Espanhol, a nível nacional. Uma ideia que se formou, a 4 de abril, com o primeiro Encontro Nacional Online de Práticas Pedagógicas de Professores de Espanhol. “Esta ideia nasceu com o intuito de ser um motor para o desenvolvimento de uma comunidade de aprendizagem constituída por professores de Espanhol, em Portugal, na qual se partilham práticas inovadoras, experiências referentes aos recursos digitais e em que se explora o valor pedagógico de recursos digitais, facilitando-se a interação social e profissional num tempo de incertezas”, explicou a fundadora, frisando que, através dos vários encontros, procurou dar resposta às necessidades e interesses dos docentes.

Para tal, com a colaboração de Cristela Marques, a partir do primeiro encontro, criaram um grupo de WhatsApp, já com 257 professores, que permitiu, por um lado, a divulgação dos encontros e, por outro, a partilha de ferramentas, dicas e informações entre docentes. Uma via que foi completada, após o segundo encontro, com um espaço de armazenamento e partilha de materiais pedagógicos na Google Drive, no qual, após cada sessão, as apresentações são disponibilizadas. Todas as sextas-feiras, cerca de 40 professores dos quatro cantos do país, desde o Minho ao Algarve, passando por Vila Real e pelos Arquipélagos, assistem a estas sessões enriquecedoras, práticas e colaborativas.

Encontros dinâmicos com um vasto leque de ferramentas e partilhas

Como referido, no primeiro encontro, Isabel Cabo abordou as potencialidades da plataforma Microsoft Teams para criar interação à distância. Uma sessão que veio responder a uma das necessidades dos professores, no dia a dia das aulas remotas. Dizemos uma das necessidades porque, a partir deste primeiro encontro, através do envolvimento e investimento de todos os participantes, surgiu a oportunidade de agendar mais reuniões que começaram a ser semanais e mais diversificadas. 

Neste primeiro encontro, Cátia Valéria, vila-realense, professora de Espanhol no Agrupamento de Escolas Latino Coelho, Lamego, coadjuvou a fundadora, partilhando a sua praxis na plataforma LMS Microsoft Teams. De recordar que a docente tem participado como “formanda” em todos os eventos, reconhecendo os colegas-formadores “pelos momentos de partilha, pelas dinâmicas e pelo envolvimento gerados, considerando os benefícios na promoção colaborativa de aprendizagens ativas, significativas e duradouras dos discentes de Espanhol”. 

No segundo encontro, José Teixeira, professor há mais de 20 anos, apresentou aos “colegas” a plataforma Google Classroom, uma vez que alguns professores desconheciam esta ferramenta e não estavam familiarizados com as suas potencialidades. “Comecei por criar uma turma, que eles integraram, e, a partir daí, fomos explorando essa plataforma”, explicou o professor, sublinhando que o feedback foi muito positivo uma vez que a curiosidade dos participantes fez a sessão durar mais do que o esperado. “Mais do que uma sessão foi uma partilha de experiências. Descobri pormenores dos quais não me tinha apercebido”, declarou José Teixeira para quem esta partilha “tem disso extremamente útil porque permitiu reunir um grupo de professores unido e dinâmico”. 

Aquando da terceira sessão, Lurdes Martins, professora de espanhol há 19 anos, abordou um vasto leque de ferramentas que utiliza nas aulas, mostrando a forma como podem ser utilizadas e o resultado da sua utilização. A primeira plataforma apresentada foi a Europeana, um espaço criado por diversos países da União Europeia em que estão disponíveis vários documentos e materiais que, sem esta plataforma, não seriam acessíveis. Para além disso, mostrou como recorre à Google Docs para realizar exercícios de escrita colaborativa; expôs, também, a forma como utiliza o Biteable para criar vídeos interativos em que resume e seleciona materiais importantes para os seus alunos; referiu, ainda, a utilização que faz do QRcode para promover uma exposição interativa e, por fim, falou sobre o Padlet, um espaço que lhe permite criar  portefólios digitais com alunos, levando-os a recolher os materiais de estudo de forma autónoma e mais fácil.

No quarto “rendez-vous”, foi a vez de Joaquim Almeida, professor de Espanhol há 15 anos, de apresentar o eTwinning, uma Ação do Programa Erasmus+ da União Europeia que tem como principal objetivo criar redes de trabalho colaborativo entre as escolas europeias, através do desenvolvimento de projetos comuns sobre as mais variadas temáticas e disciplinas, com recurso à Internet e às Tecnologias de Informação e Comunicação. 

No final da sessão, desafiou os presentes a criar um projeto a nível nacional entre professores e alunos de espanhol, e qual não foi a sua surpresa quando mais de 20 escolas responderam ao apelo, num total de mais de 700 alunos. Numa fase inicial, para os alunos se conhecerem, tiveram de criar avatares e postais através dos quais se apresentavam; depois, foi criado um fórum em que podiam interagir; na etapa seguinte, apresentaram a sua cidade e, por fim, aproveitando o programa de espanhol, abordaram as festas típicas da sua região. “O projeto ultrapassou as minhas expectativas porque nunca pensei que ia convencer tanta gente. Com ele os professores puseram em prática as ferramentas, os alunos fizeram novos amigos e espero que, em setembro, os docentes ganhem asas e criem o seu próprio projeto e/ou participem noutros”, concluiu Joaquim Almeida, visivelmente satisfeito.

Nos sexto e quinto encontros, Paula Machado, professora de espanhol desde 2012, apresentou a plataforma interativa Quizizz. Uma ferramenta que tem características similares aos jogos e que permite um maior envolvimento por parte dos alunos na aquisição de novos conteúdos que são gameficados. Na sessão, Paula Machado convidou os participantes a realizar um Quizzizz, para poderem colocar-se na pele dos alunos. Atividade após a qual, a professora abordou as possibilidades que esta plataforma possibilita. “O feedback dos professores foi muito positivo. Eu já tinha partilhado esta plataforma no nosso grupo do WhatsApp e muitos colegas começaram a fazer os seus Quizzizz”, explicou a docente, realçando que esta plataforma permite envolver os estudantes, tanto no ensino à distância como nas aulas presenciais em que o uso do telemóvel é permitido.

Sessões que resultam em aulas mais envolventes e interativas 

Para os participantes, o adjetivo que mais tem sobressaído para classificar estes encontros é “enriquecedor”, uma vez que, segundo os mesmos, estas sessões têm contribuído para a aquisição de novas competências, possibilitando uma utilização mais fluída destas ferramentas que, por sua vez, permitiu um maior envolvimento por parte dos alunos.

Sandra Pinto, professora no Agrupamento de Escolas Morgado Mateus, em Vila Real, confirmou que estes encontros trouxeram um enorme enriquecimento ao exercício da sua profissão. “Tenho aprendido imenso e tenho posto em prática com os meus alunos. Para eles tem sido excelente pois ‘fugimos’ do ensino tradicional e podem ir mais além”, sublinhou a docente, acrescentando que, graças a estas sessões, as aulas tornaram-se mais interessantes e apelativas.

Por sua vez, Sílvia Ramalho referiu que participar nestes encontros “revolucionou” a sua prática pedagógica como docente. “Em poucas semanas, ficou relegado ao esquecimento o habitual método de ensino dito mais tradicional, baseado no manual e nas fichas, pois a minha entrada no mundo das ferramentas digitais e recurso a várias aplicações pedagógicas permitiu-me dinamizar o processo de ensino-aprendizagem e conseguir o envolvimento do aluno a 100%”, disse a professora.

Para Charlaine Miguel, professora de espanhol no Agrupamento de Escolas de Arronches, Alto Alentejo, estas sessões à sexta-feira permitiram-lhe reencontrar colegas de grupo e conhecer outros que, “de forma generosa e entusiasta”, partilharam os seus conhecimentos. “Não conhecia as ferramentas, mas graças a estas sessões, passei a ser uma utilizadora assídua das mesmas. Enquanto profissional, aprendo muito com os meus colegas e, neste momento, desenvolvo tarefas mais dinâmicas e atrativas, nas quais os alunos se envolvem com mais interesse e entusiasmo”, frisou a docente.

Por fim, segundo Olinda Fontes, professora de Espanhol no Agrupamento de Escolas D. Sancho II, em Alijó, apesar de já recorrer a algumas ferramentas digitais em contexto de sala de aula, “o encontro com os professores de Espanhol, à sexta-feira à tarde, está a ser muito enriquecedor, pois proporciona um trabalho colaborativo entre os docentes”. “Esta oferta de um leque diversificado de ferramentas digitais tem-se revelado muito significativa e benéfica no sentido em se adequa a este novo contexto de ensino à distância, facilitando a aprendizagem de uma língua estrangeira nos domínios de compreensão e expressão, oral e escrita”, explicou a professora, sublinhando que esta partilha também proporciona a consolidação do uso das ferramentas digitais em futuros projetos Erasmus nos quais os  seus alunos estão envolvidos.

Secretário de Estado Adjunto e da Educação elogia os professores de Espanhol

O Secretário de Estado Adjunto e da Educação, João Costa, esteve presente, no 7.º Encontro Nacional Online de Práticas Pedagógicas de Professores de Espanhol, surpreendo os participantes. A convite da fundadora, o Doutor João Costa elogiou a iniciativa, apoiando e felicitando os professores de Espanhol pelo trabalho colaborativo e inovador que estão a desenvolver.

Menu