PS de Mondim de Basto defende que trabalho de valorização dos percursos pedestres “não é verdade”

 O PS de Mondim de Basto, em comunicado, realçou o facto de a Câmara de Mondim de Basto “estar a valorizar os percursos pedestres no concelho”, mas demorar dez dias a encerra um deles.

Segundo a nota de imprensa, “o executivo da câmara municipal foi alertado, no dia 4 de janeiro, através de um e-mail enviado pelos vereadores do Partido Socialista, relativamente à falta de condições e de segurança do percurso pedestre PR1 Senhora da Graça”. 

“Mais tarde, no dia 13 de janeiro, em reunião de Câmara, os vereadores do PS questionaram o executivo sobre o que havia sido feito perante o alerta. A informação prestada foi que só nesta sexta-feira seria colocada a informação com o encerramento do referido percurso”, pode ler-se no documento.

Assim, os vereadores deixaram uma recomendação, em que explicam que notificaram a situação ao executivo, realçando que “os necessários trabalhos que estão a ser levados a cabo no terreno pelo ICNF, criam enormes constrangimentos, tais como impedimentos de passagem e impactos no percurso e paisagem que não permitem manter o percurso em aberto e promovido”.

“Não estavam asseguradas as condições para uma experiência, que julgamos nós, se quer positiva para quem nos visita, nem mesmo as de segurança, com tudo o que isto representa. 

Tomadas as devidas medidas para cessar esta situação, importa assegurar que em situações futuras idênticas, a autarquia se antecipe”, frisou a oposição, enumerando as seguintes recomendações: “Que se proceda à vistoria a todos os percursos dos peregrinos da senhora da graça, com especial atenção para os que coincidem com a área ardida, e que por ainda não ter sido realizado qualquer trabalho extração da madeira ardida, possam agora por via da queda de árvores representar perigo. Que findos os trabalhos em curso, se avalie o estado dos percursos, nomeadamente o piso, com especial atenção para os troços que ainda estão em calçada antiga, e a sinalização, para rapidamente desenvolver os trabalhos necessários para devolver as condições e dignidade que os percursos merecem”.

A oposição reforçou, ainda, que o executivo demorou 10 dias para simplesmente informar sobre a falta de condições de um percurso pedestre sinalizado, demonstrando “uma falta de reação”.

Por fim, realçou entender “que a gestão autárquica se faz de forma séria, e não com comunicações falsas”. “Não é verdade que esteja em curso qualquer trabalho de valorização dos percursos pedestres, muito pelo contrário, o descuido e a incompetência são de tal ordem, que mesmo alertados não são capazes de agir com a celeridade que se exige. A comunicação com falsidades remetida pelo Município de Mondim de Basto, visa apenas mascarar a incapacidade que revelaram, de reagir atempadamente a uma situação que coloca em risco quem faz o percurso e prejudica gravemente a imagem do Concelho”, concluiu. 

Menu