PSD de Vila Real defende que Plano de Urbanização “não é bom” para os vila-realenses

O PSD de Vila Real, na reunião de Câmara Municipal que decorreu no passado dia 21 de setembro, votou contra a submissão à aprovação da Assembleia Municipal da atual proposta do Plano de Urbanização da Cidade de Vila Real e respetivo Relatório Ambiental por “considerar que não é um bom plano para os Vila-Realenses. “Em devido tempo, no local próprio (CMVR) e publicamente, o PSD alertou, por diversas vezes, para o caminho errado que estava a ser seguido na elaboração deste plano”, pode ler-se no comunicado. 

No mesmo documento, o PSD afirma que colocou o assunto na ordem do dia, possibilitando “que muitos interessados reapresentassem as suas reclamações, algumas das quais já tinham sido liminarmente rejeitadas”. “Este facto, obrigou a que o Plano, que era praticamente definitivo, tivesse de ser revisto, para acolher justas aspirações dos Munícipes”, reforçou. 

Além disso, para os sociais-democratas, a diminuição de 45% do solo urbano, que segundo os autores do plano, acontecia na primeira versão, foi numa pequeníssima parte corrigida, mas de forma insuficiente. “A drástica redução da possibilidade de construção de habitação nas freguesias rurais/periurbanas é extremamente preocupante, sobretudo quando muitos desses espaços possuem todas as infraestruturas necessárias para utilização urbana de baixa densidade. Assim, esta proposta de plano contribui, irremediavelmente, para o êxodo populacional em direção à cidade e será, por conseguinte, prejudicial ao desenvolvimento harmonioso do território urbano da cidade e do concelho”, argumentou o PSD, reforçando que “sempre afirmou que votaria favoravelmente o plano, desde que este respeitasse o disposto no PDM e permitisse o alargamento a zonas infraestruturadas, o que, em prejuízo dos Munícipes”. “Mantendo uma coerência de posição, o PSD Vila Real reitera que esta proposta continua a sofrer de muitas fragilidades e falta de estratégia, não sendo um bom plano para o concelho de Vila Real”, concluiu. 

Menu