Trabalhadores das Águas de Portugal reivindicam reconhecimento da sua carreira

Esta manhã, no âmbito de uma greve a nível nacional, cerca de 40 trabalhadores das Águas de Portugal do distrito de Vila Real marcaram presença em frente à sede vila-realense da Águas do Norte para reivindicar os seus direitos.

“Os trabalhadores estão aqui, em greve, para a reivindicar a renegociação do apoio coletivo do trabalho, o aumento dos salários, a valorização das suas carreiras, a aplicação das 35 horas semanais e a aplicação do suplemento de insalubridade, penosidade e risco”, explicou Paula Dias, Vice-Coordenadora do STAL de Vila Real.

De realçar que esta “luta tem muitos anos”, uma vez que, já em 2018, o esforço dos trabalhadores foi recompensado com a assinatura do acordo coletivo de trabalho. Todavia, o acordo, que ainda tem de ser renegociado, “não está a ser cumprido”.

“15 anos como técnico estagiário

De entre os presentes, destaca-se Bruno Moreno, de Vilarandelo, que, após 15 anos de experiência e formação continua como técnico estagiário. “Além de renegociar o acordo coletivo de trabalho, estamos aqui para lutar pela progressão nas carreiras que estão congeladas. Não é justo tantos anos de experiência não serem reconhecidos”, salientou. Além das carreiras, outro pedido feito pelos trabalhadores prende-se com aplicação do suplemento de insalubridade, penosidade e risco.

Notícia completa na próxima edição, dia 16 de junho, nas bancas.

Menu