Vila Real: testes de COVID-19 nas escolas começaram hoje


Começaram a ser realizados, hoje,  na Escola Morgado de Mateus, os testes à COVID-19 aos elementos docentes e não docentes das escolas de Vila Real. Esta iniciativa, que partiu de uma ação de parceria entre o Município de Vila Real e o Agrupamento de Centros de Saúde do Douro I – Marão e Douro Norte, prevê realizar cerca de 163 testes do COVID-19 aos docentes e não docentes das diferentes instituições escolares para garantir um regresso às aulas, no próximo dia 18 de maio, em segurança.

Recorde-se de que, na próxima segunda-feira, as escolas vão reabrir para acolher os alunos dos 11º e 12º anos.

“Esta é uma das poucas iniciativas que está a ocorrer no país. Como se sabe, estes testes não foram considerados prioritários por parte do Ministério da Saúde, mas nós, em Vila Real, consideramo-los prioritários para garantir que ninguém com COVID-19 se juntará, na reabertura das escolas, às centenas de alunos que, a partir de segunda-feira, começarão a frequentar este espaço”, declarou Rui Santos, presidente da Câmara Municipal de Vila Real, acrescentando, apesar da Federação Nacional dos Professores ter solicitado testes para docentes, o Município quis ir mais longe e testar professores e funcionários para “transmitir a maior confiança possível aos pais para que coloquem tranquilamente aqui os seus filhos a terminar o ano letivo”.

Marina Teixeira, diretora do Agrupamento de Escolas Morgado Mateus, esteve presente no início deste programa de testes e mostrou-se satisfeita com esta iniciativa. “Para nós é importante fazer estes testes, é uma questão de segurança, não só dos funcionários e dos professores que vão regressar, mas também para que os pais sintam se sintam seguros relativamente ao facto de que os alunos que ser recebidos na escola nas melhores condições”, sublinhou, confessando que não há garantias de que não venham a ocorrer contaminações, “mas há, pelo menos, o cuidado de podermos garantir que, nesta fase inicial, as coisas vão correr bem”.

No que respeita ao regresso às aulas, a diretora do agrupamento referiu que está a ser preparado com muito trabalho e alterações nos espaços das escolas. “Estamos a organizar-nos de maneira a que cada turma só terá duas salas atribuídas, isto é, não haverá repetição de salas para que os alunos fiquem sempre no mesmo lugar e nas mesmas salas”, explicou Marina Teixeira, sublinhando que estão a ser retiradas cadeiras, mesas e tudo o que não seja indispensável das salas de aula para evitar pontos de contacto.

Quanto aos elementos não docentes que já efetuaram os testes, confirmaram sentir-se mais seguros para regressar ao trabalho e louvaram esta iniciativa. “Foi uma ótima iniciativa, a gente agradece. É mais uma segurança para nós e para os outros. Vamos começar este 3º período com mais confiança e mais segurança. Mesmo ao regressar a casa vou mais seguro”, comentou Carlos Carvalho, assistente operacional, destacando que fazer o teste “mete impressão, mas não custa”.

Por sua vez, Carolina Taveira, assistente educativa, afirmou que a ação foi uma “mais-valia” e que, para ela, é uma segurança redobrada uma vez que vive com o pai. “Creio que vai correr tudo bem porque as crianças já têm noção da situação em que vivemos e vamos respeitar todos as regras de segurança”, concluiu.

De recordar que os testes continuarão a ser efetuados, amanhã, na Escola Secundária Camilo Castelo Branco.

Cláudia Richard

Menu